WhatsApp finalmente irá rentabilizar aplicativo, cobrando de grandes empresas

Posted Posted in Uncategorized

A companhia também oferecerá um aplicativo gratuito para pequenas e médias empresas, embora não tenha delineado a funcionalidade específica dele

O WhatsApp irá finalmente rentabilizar seu aplicativo de mensagens, cobrando de grandes empresas por ferramentas que melhorem a comunicação com seus clientes. A companhia também oferecerá um aplicativo gratuito para pequenas e médias empresas, embora não tenha delineado a funcionalidade específica dele. A solução empresarial permitirá às empresas globais “fornecer aos clientes notificações úteis como horários de voo, confirmações de entrega e outras atualizações”.

A empresa escreveu que quer facilitar “a vida de quem quer fazer um pedido em uma padaria local ou procurar por novos estilos de uma loja de roupas” e “lojistas que usam o WhatsApp para manter contato com centenas de clientes de um único smartphone”, além de oferecer “uma maneira mais fácil de responder às mensagens”. Também pode cobrar por funcionalidades de bot de inteligência artificial ou transações de e-commerce.

A companhia também anunciou oficialmente seu programa piloto para verificar contas de negócios, a fim de distingui-las de contas pessoais e falsificações. Conversas com empresas são criptografadas e podem ser bloqueadas. Curiosamente, se uma empresa ainda não estiver nos contatos do seu número de telefone, seu nome aparecerá como qualquer coisa que eles tenham registrarem, em vez de seu número. Isso poderia permitir que o WhatsApp criasse um mecanismo de pesquisa comercial com resultados patrocinados opcionais.

Quando o Facebook adquiriu o WhatsApp por US$ 19 bilhões em 2014, as empresas disseram que não colocariam anúncios no aplicativo, porque isso degradaria a experiência. Eles também abandonaram a ideia de uma taxa de assinatura anual de US$ 1, deixando poucas opções de monetização, além de cobrar empresas por ferramentas. A introdução de anúncios gráficos e mensagens patrocinadas para o Facebook Messenger pode indicar um relaxamento da postura do WhatsApp contra anúncios.

Com mais de 1,3 bilhão de usuários mensais e 1 bilhão de usuários diários, o aplicativo atingiu a enorme escala necessária para que ganhasse uma receita significativa, mesmo com publicidade leve. O status agora tem 250 milhões de usuários diários e pode hospedar anúncios de vídeo verticais entre o conteúdo dos amigos – da maneira como o Instagram faz. Também pode inserir anúncios gráficos na caixa de entrada como o Facebook Messenger.

(via TechCrunch)

O que é funil de vendas?

Posted Posted in Uncategorized

O funil de vendas é uma das partes mais essenciais para entender o Inbound Marketing.

Esse post é um guia para te explicar o que é um funil de vendas e como desenvolvê-lo em seu ambiente de trabalho.

Aqui você terá acesso às dicas de como produzir conteúdo para cada etapa no processo de vendas dentro das estratégias de marketing digital.

Queremos evitar que sua empresa perca clientes por não acompanhar seu próprio funil de vendas.

Atualmente, as pessoas estão mais exigentes e necessitam dos melhores serviços e e produtos possíveis, atendimento de qualidade e ter prestadoras de serviço que acompanham suas demandas.

Para isso, é fundamental conhecer técnicas de marketing e vendas e ter acesso às ferramentas que possam atrair mais pessoas e transformá-las em reais compradores.

Você deve estar pensando: “Eu acompanho diariamente os meus clientes. Tenho uma lista de nome de visitantes, com endereço e tudo mais, participo de redes sociais como Twitter, Facebook, etc. e sei o número mensal de visitantes da minha página eletrônica”.

Se você acha que assim vai conseguir aumentar seu volume de vendas, está muito enganado, infelizmente!

É necessário ir além, isto é, descobrir quais os motivos que levam os seus consumidores a optaram (ou não) pela sua empresa.

Somente assim você conseguirá prosperar dentro de um mercado tão competitivo e dinâmico.

Por isso é imprescindível saber mais sobre o funil de vendas.

Vamos lá?

O que é funil de vendas?

O funil de vendas (ou pipeline) é um processo que consiste em conduzir ou acompanhar o seu cliente a partir do momento em que ele toma conhecimento de uma solução vendida pela sua empresa até o fechamento do negócio. 

É um modelo estratégico que mostra cada etapa seguida pelo consumidor até fechar a compra.

No funil é ilustrado cada parte da venda, desde o primeiro contato com a sua empresa à pesquisa feita pelo consumidor sobre o item e o mercado que o comercializa, até chegarmos na ação da própria compra.

Existem camadas no funil de vendas. Ele não é um processo homogêneo, mas ocorre por várias etapas.

O funil é dividido em 3 partes, que são:  

Topo do funil

O topo é a parte mais larga do funil, conhecido também como a parte da consciência.

Aqui a pessoa não está ciente sobre uma determinada necessidade ou problema que ela tenha.

Em outras palavras, ela não busca nenhum produto ou serviço e desconhece qualquer demanda. Por isso, ela não é considerado um cliente real (ainda).

A ideia é tornar o visitante em um comprador real.

Logo o importante nessa fase é aumentar o tráfego para atrair futuros clientes, isto é, gerar mais leads.

Para isso, é importante fazer com que o visitante descubra uma necessidade e tenha interesse na sua empresa para avançar para o meio do funil.

Meio do funil

A segunda camada do funil é onde o futuro cliente já descobriu que tem alguma demanda ou problema e busca sua solução.

É o estágio em que ele tem a intenção de comprar um produto ou serviço, mas ainda está em dúvida se deve ou não contratá-lo.

Nesse momento, o futuro consumidor pesquisa mais profundamente sobre a solução que as empresas oferecem e decidem se vão adquirir ou não o item vendido.

Quando ele se decide ele avança para o fundo do funil.

Fundo do funil

Na última parte do funil é que a lead qualificada avalia seu produto ou serviço.

Ela faz comparações com outras empresas e escolhe qual a melhor alternativa.

Em seguida,  ela finaliza todo o processo, realizando a compra.

Ao entender as ideias do funil fica bem claro entender como ele é benéfico para sua organização.

Vantagens

As vantagens estão além de ter conhecimento sobre número de visitas numa página e volume de vendas. Os pontos positivos do funil de venda são muitos:

Melhor conhecimento sobre a sua equipe

O funil permite verificar como é o desempenho da sua equipe de trabalho.

Em cada etapa do método, é possível mensurar a produtividade dos vendedores, onde eles têm mais dificuldades e os resultados obtidos por cada um.

Em outras palavras, fica bem mais fácil saber se o setor de vendas conseguirá cumprir a meta, o tempo necessário para alcançá-la e identificar porque alguns membros conseguem vender mais que os outros.

Com as informações obtidas pelo funil você dá um ótimo feedback aos seus colaboradores e contribui para uma maior produtividade no ambiente de trabalho.

Maior produtividade

Quando os colaboradores sabem que o trabalho está sendo acompanhado e que os dados fundamentais são identificados, a tendência é que eles se empenhem mais para apresentar melhores resultados.

Desse modo, todo o seu time terá mais foco, alinhando seus esforços com os objetivos da empresa e otimizando sua gestão.

Otimização da gestão

O funil é trabalhado com o intuito de padronizar o ciclo de vendas, tornando a análise de cada estágio deste processo mais objetivo e ágil.

Com isso, a equipe de gerenciamento ganha mais foco e assertividade, provendo melhores chances para fechar um negócio.

Melhor aproveitamento das oportunidades de negócios

Com o funil de vendas você conhece o status de cada venda, isto é, as chances que cada negócio tem de ser efetivado.

Logo, fica mais fácil aplicar estratégias para aumentar a possibilidade de fechar o negócio.

Do mesmo modo, é possível identificar se há novas possibilidades de atuação, ou seja, identificar se os clientes potenciais ou reais  estão precisando de outras demandas.

Com isso, você terá respostas para otimizar seus produtos e ou serviços.

Respostas para o desenvolvimento de produtos

Ao longo do relacionamento com os clientes, você terá informações valiosas que apontam novos caminhos para aperfeiçoar os serviços ou produtos desenvolvidos por sua organização.

Por identificar essas demandas, sua empresa consegue prover aos seus clientes algo a mais, ou seja, consegue ir além das expectativas.

Assim, você tem maior fidelização de clientes e conseguirá atrair novos, aumentando seu volume de vendas.

Contudo, mesmo com tantos benefícios é preciso ter alguns cuidados quando o assunto é funil de vendas.

Cuidados sobre o conceito de funil de vendas

Ao ter conhecimento mais aprofundado sobre o funil de vendas você deve-se atentar com 2 tópicos a seguir:

Visitantes viram leads e clientes

Ao pensar no funil em sua forma geométrica, muitos acreditam que todos os visitantes da sua página eletrônica se tornarão clientes reais.

Infelizmente, isso não é totalmente correto. É comum as pessoas entrarem em seu site e ler os conteúdos por você produzidos sem deixar nenhum contato para retorno.

Por isso é tão importante acompanhar seu funil, mas fique atento, pois só ter acesso ao número de visitantes não te garante converter as pessoas que acessam o conteúdo da sua empresa em reais compradores.

O funil de vendas precisa de ações contínuas

Um erro grave quando o assunto é o funil é pensar que ele simplesmente é utilizado para saber a porcentagem de conversões de visitantes para compradores reais.

Cuidado! O funil de venda demanda ações de venda e marketing.

É preciso olhar com muita atenção as características positivas e negativas do seu produto e ouvir bem seus clientes para poder gerar as melhorias necessárias para elevar seu volume de vendas e conhecer cada parte do pipeline.

Para ter sucesso com o funil de vendas é preciso desenvolver conteúdo adequado para cada etapa do processo de venda.

Como desenvolver um funil de vendas?

Agora que você já aprofundou seus conhecimentos sobre o funil de vendas, que tal irmos para a prática?

Como foi dito, o funil de vendas tem 3 momentos diferentes.

Logo, esqueça a ideia de produzir o mesmo tipo de conteúdo para cada etapa do funil.

O conteúdo deve ser diferenciado para cada fase e você deve prover informações suficientes para que o cliente avance até chegar à última etapa do seu funil.

No topo do funil

O conteúdo do topo do funil deve ter como objetivo fazer com que o seu público descubra que tem um problema que precisa ser resolvido.

As publicações devem ser de fácil acesso, pois o público na primeira etapa é amplo e não tem tanto conhecimento sobre a solução da sua organização.

Do mesmo modo, todo o conteúdo deve ser de fácil entendimento e prover informações necessárias para que o visitante tenha curiosidade e se torne uma lead.

Para isso, é importante utilizar as seguintes ferramentas:

Mídias Sociais

A ideia do topo de funil é aumentar o tráfego de visitantes.

Logo, as mídias sociais, tais como Facebook, Twitter, Instagram, dentre outros é uma ótima oportunidade para despertar a curiosidade dos potenciais clientes.

Utilize imagens e um visual que chame a atenção dos usuários e faça chamadas para assuntos relevantes do blog que você criou.

Post de blog

O post em blog é o primeiro contato do cliente sobre um determinado tema que, potencialmente, pode se tornar uma solução para suas demandas.

Os textos devem ser de fácil acesso para qualquer visitante e as informações neles contidos devem despertar a curiosidade do leitor de saber mais sobre o assunto.

Uma forma de ter o futuro comprador mais interessado sobre o assunto abordado e conseguir leads é fazer uso das newsletters.

Newsletters

Newsletter, em português, significa boletim informativo.

Ela possibilita a comunicação direta com o cliente de forma regular e periódica.

Em geral são enviados conteúdos específicos sobre um ou mais assuntos para que o consumidor tenha mais interesse sobre a solução de um problema e avance para a próxima etapa do funil.

No meio do funil

O conteúdo para o meio do funil deve ser ainda mais informativo, apresentando soluções para a sua persona, mas sem falar muito da sua organização.

Nesse momento é possível limitar o consumo de conteúdo, pois agora você já tem clientes que consideram adquirir o item e podem se tornar compradores reais.

Dica super importante nesse segundo estágio é capturar o máximo de dados possíveis do cliente, pois aqui se inicia um relacionamento mais próximo ao consumidor potencial e o conteúdo deve esclarecer todas as suas dúvidas.

Por exemplo, você pode solicitar um formulário quando ele for acessar ou baixar algum tipo de material.

Para prover informações suficientes no meio do funil, você pode utilizar os seguintes recursos:

Posts de blogs

Os textos em blogs também podem ser usados no meio do funil. Contudo, o conteúdo deve estar focado em um público que já tem conhecimento básico sobre o assunto.

Invista em conteúdos com dados mais aprofundados, ou seja, em textos mais ricos em detalhes e informações sobre determinado problema e como resolvê-lo.

Nesse caso, vale associar os posts de blogs com as newsletters personalizadas.

Newsletters personalizadas

As newsletters personalizadas oferecem conteúdo mais aprofundado que no topo do funil.

Nelas, é possível oferecer produtos e serviços e falar um pouco mais da empresa.

Ebook

O ebook é um livro eletrônico indicado para falar de assuntos mais profundos e que geralmente os posts não conseguem.

Do mesmo modo, é uma ótima oportunidade para esclarecer dúvidas do público, falar um pouco da empresa e detalhar mais sobre os serviços por ela prestados.

A vantagem do público é que ele pode ser disponibilizado e baixado pelo formato pdf, desde que o visitante forneça seus dados para contato.

Assim fica mais fácil fazer a abordagem para avançar no fundo do funil de vendas.

No fundo do funil

Nesse ponto, você fala abertamente sobre sua empresa e da sua solução.

No último estágio do funil, a companhia deve-se posicionar como a melhor opção de mercado, pois o consumidor, com certeza, já sondou outras empresas.

Logo, o ideal é ter todas as ferramentas para solucionar todas as dúvidas do comprador e facilitar o processo de efetivação de compra.

Para isso, utilizam-se os seguintes recursos:

Cases de clientes

Aqui você pega histórias de clientes que já adquiriram seu produto e ou serviço.

Nessa ferramenta, é fundamental que o consumidor fale de todos os pontos relevantes da solução por você proposta e como a empresa mudou a vida deste cliente.

Muitas vezes, os cases têm um peso considerável na hora do comprador escolher qual empresa investir.

Por isso, ouça seus atuais clientes e divulgue seus resultados positivos, a fim de mostrar como a sua empresa pode trazer esses mesmos resultados aos possíveis clientes.

No momento em que o cliente optar em contratar os serviços ou adquirir os produtos da sua companhia, você pode orientá-lo através dos Webinars de venda.

Webinars de venda

Os webinars em geral são apresentações que usam vídeo e voz. Eles têm um toque mais pessoal e aproxima o cliente.

No caso das vendas, os webinars são muito importantes, pois em vídeo é possível mostrar cada etapa para efetivar a venda.

Assim, evita-se problemas que faça o cliente desistir da compra.

Conclusão

Neste post te mostramos como o funil de vendas é um processo que acompanha todo o ciclo de vendas e permite identificar o que acontece em cada etapa.

O funil é muito importante para atrair potenciais clientes e transformá-los em reais compradores.

Para desenvolver o funil de vendas, nunca se esqueça de considerar os propósitos do topo, meio e fundo de funil.

Cada camada do funil é imprescindível para fechar a venda e por isso as informações têm que satisfazer cada lead  que estiver no funil.

Utilizando as dicas de desenvolvimento de conteúdo de funil de vendas, com certeza você terá melhores resultados de conversão. Utilize bem cada ideia aqui fornecida e procure novos meios de atrair mais clientes e otimizar o volume de negócios concluídos.

Fonte: Marketing de Conteúdo

Receitas do Facebook superam previsões de Wall Street

Posted Posted in Uncategorized

É a nona vez consecutiva que os ganhos da rede social ultrapassam valores obtidos no trimestre anterior, mas as receitas da publicidade estão a crescer menos.

O Facebook excedeu as previsões de Wall Street e acabou o segundo trimestre de 2017 com um lucro de 3,89 mil milhões de dólares (mais 71% do que no mesmo período de 2016) e 9,32 mil milhões de dólares em receitas. São cerca de 3,3 e 7,95 mil milhões de euros, respectivamente. É a nona vez consecutiva que os ganhos da rede social ultrapassam valores obtidos no trimestre anterior. O foco no aumento de conteúdo publicitário em plataformas móveis (incluindo na aplicação do Instagram) impulsionou o valor: 87% do total de vendas publicitárias veio deste tipo de anúncios.

A subida das receitas, porém, é cada vez menor. Os ganhos da rede social – detalhados num relatório publicado esta quarta-feira – mostram que as receitas subiram 45% em relação ao trimestre anterior. No primeiro trimestre de 2017 o aumento foi de 49%, no último trimestre de 2016 de 51%, e no penúltimo trimestre de 2016 de 56%. A tendência deve continuar com o Facebook a avisar que está perto de atingir o limite de anúncios que pode apresentar no feed de notícias.

“Prevemos que estes anúncios do Facebook sejam um factor cada vez menos importante no crescimento da receita publicitária no futuro”, confirma David Wehner, o director financeiro do Facebook durante a conferência sobre os ganhos da empresa. Para Wehner, o foco da rede social em motivar os utilizadores a ver vídeos mais longos também pode influenciar, pela negativa, o número de vezes que um anúncio é visto.

7 dicas de SEO

Posted Posted in Uncategorized

A técnica de SEO é claramente importante para um site e pode ser uma grande aliada quando o assunto é trabalhar com Marketing de Afiliados e vender mais. 

A otimização de conteúdo para melhorar o posicionamento nos mecanismos de busca é chave para atingir um público maior, aumentando seu potencial em vendas. Pensando assim, trazemos este checklist com 7 dicas de SEO

1. Palavras-chave

Ao otimizar seu conteúdo para apresentar melhores resultados nas buscas, comece com a escolha de palavras-chave, que é um dos elementos que o Google usa para determinar o ranking dos sites.

Fazer um bom post é trabalhar com as melhores opções e produzir um conteúdo que atenda a procura daquelas pessoas que pesquisaram por esta determinada palavra.

Dica: Para auxiliar nessa definição algumas ferramentas como o Google Trends podem ajudar a descobrir quais as palavras mais procurada pelas pessoas.

2. Títulos

O título é o atributo mais importante para um bom posicionamento no Google e, por isso, é essencial para o seu site. O título é a sua primeira conexão com o leitor, então ele deve incluir a palavra-chave que você escolheu, além de deixar claro qual o conteúdo da página.

Para atrair seu leitor e produzir o melhor título veja essas dicas simples: Use termos que capturem a atenção, deixe claro o tema principal do conteúdo e reforçe a ideia do título no texto.
Dica: O título não pode ultrapassar 70 caracteres, pois esse é o limite que o Google exibe nos resultados de suas buscas.

3. Meta Description

A meta description é o texto que você encontra logo abaixo do título ao realizar uma pesquisa no Google. Ela possui um grande valor para o seu visitante e por isso você deve construir ela pensando no seu leitor.

Mostre um resumo do seu conteúdo de forma simples e atrativa porém direta, dentro do limite de 142 caracteres. Use sua palavra-chave na meta description também, ela é a confirmação de que o seu post aborda o assunto que o seu leitor procura.

4. Conteúdo

Na internet as pessoas lêem seguindo um padrão em F, da esquerda para a direita e de cima para baixo. Esse é um padrão geral de leitura, portanto, deve ser também o de escrita – o que torna seu conteúdo escaneável para capturar a atenção do visitante nos pontos certos e de forma rápida.

Algumas dicas para não perder leitores do meio do texto são: utilizar títulos e subtítulos, escrever parágrafos curtos e com espaços entre eles, criar listas ou tópicos e usar imagens e efeitos de texto (negrito, itálico).

5. Links internos

O uso de links internos ajuda na construção da confiança e reputação de sua página. Os links comprovam que o assunto abordado é relevante e de qualidade, além de mostrarem ao leitor que você tem outros conteúdos a oferecer, caso ele queira se aprofundar no tema.

6. URL

Uma ótima e simples dica é que: uma URL óbvia é uma ótima URL. A URL perfeita é aquela que possui a palavra-chave em destaque e que dá ao leitor a visão direta do conteúdo da página antes mesmo de ela carregar.

7. Otimização de imagens

É importante utilizar imagens relacionadas ao assunto abordado, aumentando a relevância da imagem-conteúdo. Lembre-se que o trabalho de SEO é tornar seu conteúdo acessível aos usuários através dos mecanismos de busca, o que inclui a busca no Google Imagens.

Assim, seja objetivo e descreva da melhor maneira possível suas imagens. Para otimizar elas, tenha sempre em mente dois atributos, o title (título, aparece ao passar o mouse sobre a imagem) e o ALT (descrição alternativa para a imagem com o foco na usabilidade).

Agora é só dedicar um tempo na otimização do seu site e que venham as vendas!

Vendas do E-Commerce devem se manter em alta pelo sétimo ano consecutivo

Posted Posted in Uncategorized

Mesmo com o a crise econômica, política e social que o Brasil enfrenta nos últimos anos, marcada pelo crescimento do desemprego, o qual atinge quase 12% da população economicamente ativa no país, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pelas quedas nas vendas do Varejo, com um decréscimo de 10% em relação a 2016, existe um segmento em constante alta mesmo nesse cenário delicado.

Trata- se do E-Commerce, esse setor de venda online de produtos que em meio a esse conturbado momento nacional caminhou na contramão do restante do mercado, apresentando novamente crescimento em 2016, assim como aconteceu em 2015.

Com um faturamento de R$44,4 bilhões em 2016, este segmento teve crescimento nominal de 7,4%, muito acima de qualquer outro setor da economia brasileira e deve crescer 12% em 2017 com quase R$65 bilhões em faturamento, segundo dados da associação brasileira de Comercio Eletrônico (ABCOM).

O aumento das vendas online, mesmo em um período de recessão, se deve a popularização dos smartphones e também a proliferação dos tablets na sociedade brasileira que trouxe uma enorme gama de novos e-consumidores. Desse modo, mais de 21% das transações on-line foram realizadas por meio de dispositivos móveis em 2016.

Além disso, os consumidores compreenderam que na internet é possível não apenas encontrar os menores preços, mas também comparar a funcionalidade de cada produto. Com isso, a aquisição de determinado item é muito mais segura e efetiva.

Outra razão que leva o E-Commerce a crescer é a possibilidade de encontrar dezenas de opções de compras em apenas alguns minutos de pesquisa. Além disso, as compras pela internet estão cada vez mais seguras e com as fraudes sendo combatidas diariamente. Por fim, o consumidor ainda vai ter boas condições de pagamento e atendimento personalizado.

Esta popularização do acesso à internet por meio de dispositivos móveis, permitindo rápido acesso às informações de preços, aliada à melhora na qualidade dos serviços e experiência de compra, contribuíram para aumentar migração das compras do consumidor brasileiro para o comércio eletrônico. Por conta desse cenário positivo, a Ebit estima que em 2017 as vendas do e-commerce representarão cerca de 4,3% das vendas do varejo no brasil, ante 3,8% em 2016.

Por todas essas razões Rafael Gama, especialista e consultor de E-Commerce do Grupo RCG , afirma que existe uma grande oportunidade para quem deseja ganhar dinheiro vendendo produtos pela internet:

“Uma pesquisa realizada pela A. T. Keranet em mais de 20 países, apontou que no Brasil, 64% das pessoas entrevistadas preferem realizar compras de forma online em relação a lojas físicas, isso demonstra o poder que esse segmento possui no país, afirma o experiente consultor em entrevista ao portal InfoMoney.

Ainda de acordo com o profissional, as vendas online oferecem uma praticidade e rapidez que as pessoas procuram. Por isso, essa tendência do E-Commerce deve se consolidar pelos próximos anos.

“Apenas em 2016, 48 milhões de consumidores compraram no comércio eletrônico pelo menos uma vez no ano, alta de 22% ante 2015, ou seja, quase um quarto da população brasileira usa a internet para adquirir um item, algo que precisa ser aproveitado por novos empreendedores virtuais.

Além disso, um levantamento do Speding Pulse, indica que apenas nos primeiros três meses de 2017, houve um crescimento médio de 25% nas vendas pela internet. Isso comprova que o E-Commerce é um importante fator dentro da economia brasileira, elucida Gama.

Rafael também ressalta que o Black Friday é uma importante demonstração da força que esse comércio online brasileiro possui, mesmo em relação à venda nas lojas físicas e que essa tendência de vendas online deve ter um crescimento contínuo pelos próximos anos.

“Um evento que em apenas um dia tem um faturamento de R$1,9 bilhão, o que equivale a 13 vezes a média de um dia comum, é um sinal claro de que o E-Commerce já está embutido nas compras dos brasileiros e quem souber aproveitar essa área pode ganhar muito dinheiro online”, declara.

O especialista também dá algumas dicas do que deve ser feito para quem pretende abrir um próprio site para vendas de produtos online e ter sucesso nesse empreendimento.

“É importante observar os setores que mais vendem; por exemplo, de acordo com o Ebit, a venda de eletrodomésticos e produtos para informática foram responsáveis por 34% do total dos itens comercializados no comércio eletrônico em 2016, assim esse é um importante setor para ser explorado por quem pretende abrir uma loja própria”, explica.

Rafael finaliza ressaltando que uma boa divulgação dos produtos e principalmente uma comunicação direta com o público é um processo chave para o sucesso desse empreendimento de venda de produtos online.

“Um fator que se deve sempre levar em consideração é o layout do seu ecommerce, que tem quer ser simples e facilitar a navegação do usuário. Por fim, uma dica de ouro é sempre tentar oferecer um conteúdo personalizado para o seu público alvo. Uma boa forma de fazer isso é criando um blog e dando dicas de uso do produto, esclarecendo dúvidas e apresentando as últimas novidades do mercado. Esses fatores são importantes para o sucesso do seu empreendimento”, conclui o consultor.

Sua empresa precisa de um E-commerce? Consulte a Digital Marketing Brasil e teremos a solução ideal para o seu negócio.

Fonte: Exame.com
Por Dino

Comércio eletrônico brasileiro teve aumento de 29% em abril

Posted Posted in Uncategorized

Os mais recentes números do indicador de varejo da Mastercard mostram um pouco de respiro para a economia do país, além de uma continuidade no crescimento bastante forte do setor de comércio eletrônico.

De acordo com os dados da operadora de cartões, houve aumento de 29% nas vendas do e-commerce nacional ao longo do mês de abril, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Os segmentos mais fortes foram eletrônicos, hobbies e livrarias e móveis, enquanto vestuário e artigos farmacêuticos, apesar do crescimento, apresentaram números abaixo do esperado. Uma demonstração, afirma a empresa, de que o consumidor está voltando a ter confiança na realização de compras e um sinal de que a situação do país começa a melhorar.

Outro demonstrativo disso veio nas vendas gerais, que continuaram seu movimento de queda, mas em abril apresentou redução de apenas 0,2% em relação ao mesmo período de 2016. A Mastercard chama a atenção para o fato de que o mês teve dois feriados bem próximos um do outro, a Sexta-Feira Santa e Tiradentes, mas ambos não afetaram negativamente a performance do varejo, como normalmente acontece.

A retração de apenas 0,2% é um sinal de melhora em relação à queda de 1,4% no primeiro trimestre de 2017 e 4,6% nos últimos três meses de 2016 – um dado importante devido às compras de Natal. Em abril deste ano, setores como supermercados, vestuário e artigo de uso pessoal tiveram crescimento acima da média.

Por outro lado, a situação ainda é complicada para segmentos como o de restaurantes, que não acompanharam o clima de otimismo e apresentaram queda de 2,3% nas vendas em abril, após uma redução de quase 8% entre janeiro e março. Uma mostra de que os gastos das famílias ainda estão sendo controlados, e que, por mais que elas estejam colocando mais dinheiro para rodar na economia, ainda há um certo controle de onde as notas serão colocadas

No âmbito nacional, as regiões Sul e Sudeste apresentaram crescimento no varejo, na casa de 1,7% e 1,6%, respectivamente. Depois vem o Nordeste, com queda de 0,1%, o Centro-Oeste (-1,1%) e Norte (-1,3%), com os dois últimos apresentando valores abaixo da média geral do mercado.

Apesar dos números ainda sensíveis, a Mastercard prevê uma melhoria gradativa na medida em que a situação econômica do país se estabiliza e os consumidores voltem a ter confiança. Apesar do aumento na taxa de desemprego e na redução dos salários, as pessoas estão começando a gastar novamente, o que indica uma melhoria contínua ao longo dos próximos meses.

Fonte: Master Card

 

Como saber se sua estratégia de marketing digital é eficiente?

Posted Posted in Uncategorized

Construir uma estratégia de marketing eficiente e que gera resultados é o desejo de qualquer empresa que investe no marketing digital.

Fazendo isso, elas serão capazes de atrair um maior número de clientes, gerar novas oportunidades de negócio e, assim, aumentar as suas vendas.

Porém, muitos profissionais e empreendedores não sabem o que precisam fazer para construir uma estratégia de marketing eficiente. Ou pior: encontram sérias dificuldades para saber se a sua estratégia de marketing digital está gerando os resultados esperados ou não.

Pensando nisso, nós escrevemos este artigo para explicar em detalhes o que você precisa saber para avaliar a eficiência de sua estratégia de marketing. Acompanhe!

Defina objetivos claros para sua estratégia

O primeiro passo para garantir a eficiência de sua estratégia de marketing é definir objetivos claros para sua organização.

Sem conhecer quais são os objetivos de sua organização, é praticamente impossível determinar se suas ações estão gerando os resultados satisfatórios. Sem a definição de objetivos, também é difícil determinar quais métricas devem ser utilizadas para mensurar a evolução de sua estratégia.

Por isso, se você deseja construir uma estratégia de marketing eficiente, é muito importante que você defina onde sua organização quer chegar, usando esse objetivo como base para definir estratégias mais eficazes e mensurar o seu sucesso da maneira correta.

Se sua estratégia tem o objetivo de gerar leads, o melhor a se fazer é investir no marketing de conteúdo, produzindo materiais ricos como e-books, webinars e videoaulas. Caso o foco seja o aumento das vendas, o e-mail marketing e os links patrocinados podem ser as estratégias mais indicadas para essa conquista.

Lembre-se: com um objetivo claro, fica mais fácil definir quais estratégias são indicadas e quais métricas devem ser acompanhadas de perto por sua organização.

Utilize as métricas para mensurar os resultados

Se você deseja saber se a sua estratégia de marketing digital é eficiente, é muito importante que você acompanhe de perto as principais métricas do mercado.

Essas métricas poderão dar uma visão geral sobre a eficiência de seu negócio, ajudando a apontar quais elementos de sua estratégia estão dando certo e quais deles precisam ser melhorados para garantir a conquista de seus objetivos.

Se o seu objetivo é a geração de leads, métricas como o Custo por Lead (CPL) e o número de visitas em sua página devem ser acompanhadas de perto para medir a eficiência de suas ações.

Caso seu objetivo seja aumentar as vendas, o Custo de Aquisição por Cliente (CAC) e a Taxa de Conversão são mais indicadas para ajudarem sua empresa a construir uma estratégia de marketing eficiente.

Não se esqueça de que o primeiro passo para garantir o seu sucesso no futuro é medir os resultados do que a sua empresa está fazendo hoje — e que, sem medir o resultado de suas ações, é impossível melhorar seus processos.

Calcule o ROI de sua estratégia de marketing digital

Outra prática que pode ajudar você a saber se sua estratégia de marketing digital é eficiente é o cálculo do retorno sobre o investimento em suas ações promocionais, mais conhecido como ROI. Calculando o ROI de sua estratégia de marketing digital, você saberá exatamente qual é o lucro gerado por cada uma de suas ações promocionais.

E o cálculo do ROI é bem fácil de se fazer. Basta somar todas as vendas realizadas por sua campanha promocional e subtrair desse valor o total de investimentos necessários para sua estratégia de marketing funcionar. Com esse resultado em mãos, basta dividi-lo pelo total de investimentos em marketing realizados por sua empresa, mais uma vez.

ara facilitar a sua compreensão, veja o exemplo abaixo:

Imagine que sua empresa tenha investido R$ 500,00 em anúncios do Google AdWords e, ao final de sua campanha, ela tenha gerado R$ 5.000,00 em vendas com essa estratégia.

Para calcular o ROI, o primeiro passo seria subtrair R$ 500,00 dos R$ 5.000,00 gerados em vendas, resultando em R$ 4.500,00. Depois disso, basta dividir os R$ 4.500,00 por R$ 500,00, que foi o valor investido em links patrocinados.

O resultado desse cálculo seria 9. Isso quer dizer que, a cada real investido no Google AdWords, sua empresa recuperou R$ 9,00.

Calculando o ROI de todas as suas ações de marketing, você saberá exatamente quais estão gerando bons resultados e quais precisam ser corrigidas, com informações suficientes para saber se sua estratégia de marketing é eficiente.

Acompanhe as menções à sua empresa nas redes sociais

Outra maneira muito comum para avaliar a eficiência de sua estratégia de marketing é acompanhando as menções à sua marca e aos seus produtos e serviços nas redes sociais.

Fazendo esse monitoramento, você poderá avaliar, em tempo real, qual é a percepção de seu público sobre sua empresa, além de entender se há algum erro que precisa ser corrigido com velocidade.

Além das menções à sua marca, você deve acompanhar também as interações dos seus fãs e seguidores com suas publicações, e se houve comentários e cliques em seus anúncios.

O número de compartilhamentos também é um bom indicador da eficiência de sua estratégia de marketing, demonstrando se o seu conteúdo é capaz de mobilizar e atrair a atenção de seus consumidores.

Você pode até mesmo comparar os resultados de sua estratégia com seus concorrentes, identificando os pontos em comum e os aspectos em que sua empresa se sobressai.

Conte com ajuda profissional para construir uma estratégia de marketing eficiente

Como você pode ver neste artigo, são vários os detalhes a que você precisa ter atenção para construir uma estratégia de marketing eficiente. Essa dificuldade é ainda maior para os profissionais que precisam cuidar de várias outras responsabilidades no seu dia a dia.

Nesses casos, a melhor saída é contar com a ajuda de profissionais especializados, que conhecem as melhores práticas do mercado e os erros mais comuns, que prejudicam os resultados de qualquer ação promocional.

Não é por acaso que muitas empresas contratam agências de marketing digital para cuidarem de suas campanhas. Com a ajuda de uma boa agência, sua campanha poderá alcançar um número maior de clientes, gerando mais oportunidades de negócio e, assim, aumentando as vendas da organização.

Agora que você já sabe como avaliar se você construiu uma estratégia de marketing eficiente, é hora de colocar seus conhecimentos em prática. Contrate nossos serviços para ter um excelente resultado em sua campanha de Marketing Digital.

Fonte: Organicadigital